Frequently Asked Questions
    Fresas Intercambiáveis em Geral
  • O que é ângulo da aresta de corte e o que é ângulo de ataque?
    Existem vários padrões internacionais e nacionais que especificam a geometria ativa das ferramentas de corte com muita precisão. O “ângulo da aresta de corte” é o ângulo entre a aresta de corte principal de um fresamento e o plano que contém a direção do movimento de avanço. "Ângulo de ataque" (ou "ângulo de aproximação") é o ângulo complementar ao ângulo da aresta de corte, isto é, a soma desses dois ângulos é de 90 °. Por exemplo, para uma fresa de faceamento típica, o ângulo de corte é o ângulo entre a aresta de corte e o plano, que o cabeçote gera. Se este ângulo for 60 °, então o ângulo de ataque será de 30 °. O ângulo da aresta de corte e o ângulo de ataque são iguais apenas para as fresas de 45 °. O termo "ângulo de ataque" é mais comumente empregado nos EUA, enquanto "ângulo de aproximação" é frequentemente usado na Europa.
  • Qual é a diferença entre "fresa de facear" e "fresa de facear mais fresar lateral"?
    Esses dois termos se referem a características diferentes e complementares de fresas. Eles não são intercambiáveis. As fresas são classificadas de acordo com os seguintes fatores principais: Tipo de superfície usinada: plana, lateral, superfície 3D, etc. Método de montagem do cabeçote: no mandril ou eixo árvore, no cone de fixação, diretamente no fuso. Estrutura: monolítica; montada Material da ferramenta de corte: aço rápido, carboneto de tungstênio, cerâmica, etc.) "Fresa de facear" caracteriza por sua aplicação principal- fresamento de faces pela aresta de corte principal. "Fresamento de face e lateral" refere-se à configuração de projeto de um fresamento lateral: o cabeçote possui um furo central para montagem no mandril. Essa configuração é típica para fresamento de face mais a lateral juntos.
  • Qual é a diferença entre fresamento pesado e fresamento de corte pesado?
    Às vezes, os termos “pesado” e “corte pesado” são usados ​​erroneamente como sinônimos. Em princípio, “fresamento pesado” (e “usinagem pesada”) refere-se à fresamento de peças grandes e grande peso em máquinas-ferramenta poderosas e se refere mais às dimensões e massa de uma peça. “corte Pesado” especifica um grau de profundidade e avanço de ferramentas e caracteriza principalmente um modo de fresamento.
  • Quais condições de corte são consideradas desfavoráveis ​​e quais são instáveis?
    Condições de corte desfavoráveis ​​incluem: peça com casca (silício ou escória, por exemplo) vantagem de usinagem significativamente variável carga de impacto considerável devido à superfície usinada não uniforme superfície com inclusões altamente abrasivas Condições de corte instáveis ​​referem-se à baixa estabilidade de um sistema completo (máquina-ferramenta, dispositivo de fixação de peça, ferramenta de corte, peça ) devido a: ferramenta ruim e fixação da peça Alto balanço da ferramenta Máquina ferramenta sem rigidêz peça com paredes finas Os termos "desfavorável" e "instável" não são intercambiáveis
  • Como a espessura média dos cavacos é medida?
    No fresamento, a espessura dos cavacos não é constante e varia durante o corte, dependendo de vários fatores. A espessura média do cavaco (hm) é um parâmetro virtual que caracteriza a carga mecânica em uma fresa e em uma máquina-ferramenta. Existem diferentes métodos para calcular hm. O método mais comum é calculá-lo em relação à metade de um ângulo de engajamento, onde o último é o ângulo central que corresponde ao arco de um contato entre uma fresa e uma peça usinada.
  • What is high pressure coolant (HPC) and ultra high pressure coolant (UHPC)?
    There are no strict definitions of high and ultra high pressure coolant (HPC and UHPC correspondingly). Traditionally, machine tools feature coolant supply at pressure 10-15 bar (145-217 psi). This level is now considered as low pressure.
    Various modern machining centers have the option to supply coolant at rates of 70-80 bar (1000-1200 psi), which is considered as high pressure coolant. Ultra high pressure coolant relates to pressure values of 100-200 bar (1450-2900 psi) and even higher.
    Some producers of CNC machine tool equipment manufacture what are known as “medium pressure” pumps; these have values of up to 50 bar (725 psi).
  • What are the benefits of milling with high pressure coolant (HPC)?
    Heat generation is a permanent feature of machining, particularly, milling. If heat generation is intensive, the conventional low pressure coolant forms a vapor layer on the surfaces of a tool and a workpiece. This layer acts as heat sealing, producing an insulating barrier and making heat transfer harder, which significantly shortens tool life.
    Pinpointed high pressure coolant penetrates the barrier and helps to overcome the problem. HPC chills chips quickly, making them hard and brittle. The chips become thinner and smaller, and they break away from the workpiece more easily. High-velocity coolant flow removes the chips. This significantly improves chip evacuation and prevents chip re-cutting.
    HPC improves tool life of a cutting edge due to reducing oxidation and adhesion wear and increasing crack strength. HPC improves chip evacuation because the chips diminish in size, and the high-velocity coolant flow takes them away easily. It allows the design of cutters with smaller chip gullet, leading to a higher number of cutter teeth. Effective cooling reduces the temperature in the cutting zone, ensuring an increased width of cut.
    Overall, HPC provides a good solution for increasing cutting speed and feed rate for boosting productivity.
  • What is the difference between milling with high pressure coolant (HPC) supply through a tool body and turning with HPC?
    In turning, a tool has one cutting edge, while a milling tool features several cutting teeth. The number of coolant outlets in the milling tool is greater. An indexable extended flute cutter, where the teeth are produced by sets of replaceable inserts, will require many more outlets.
    There is a specific relationship between pressure, velocity and flow rate for fluid, e.g. for coolant. In milling, HPC supply through the tool body demands appropriate characteristics of an HPC pump to ensure correct flow volume (flow rate) and not only to meet pressure requirements.
  • Does ISCAR provides indexable cutters for high pressure coolant milling in the standard product line?
    Yes, ISCAR provides these tools in the families of milling cutters for machining titanium and high temperature superalloys (HTSA).
  • Why are nozzles used as coolant outlets in HPC indexable milling cutters?
    There are two reasons for using nozzles as coolant outlets: technological and applicative. HPC supply through the body of a cutter requires small-diameter outlets (as well as demands regarding the shape). As manufacture of the outlets via drilling hard steel tools would encounter technological difficulties, screw-in nozzles represent a more practical option.
    If a depth of cut is smaller than the maximum cutting length of an indexable extended flute milling tool, there is no need to supply coolant to the inserts that are not involved in cutting. To improve performance, you can easy unscrew the appropriate nozzles from their holes, and then close the hole by a plug or a standard set screw.
  • Why are a significant number of HPC milling cutters special (tailor-made)?
    The main consumers of HPC milling cutters are manufacturers working with hard-to-cut materials, for example titanium alloys. In many cases, producing parts from the materials requires a high volume of metal removal. To boost productivity, manufacturers often use unique machine tools, and, to reach maximum operational rigidity, they prefer integral tools with direct adaptation to the spindle of a machine - without intermediate tooling such as arbours or holders. Specific tool diameters, cutting lengths, and overhang, as well as adaptations that vary from one manufacturer to another, demand tailor-made HPC milling cutters.
  • Quais famílias estão inclusas na linha de fresamento intercambiável da ISCAR?
    A linha de fresamento intercambiável consiste em fresas destinados aos principais tipos de operações de fresamento: fresamento de cantos a 90 graus, fresamento de faces abertas, fresamento de bordas e cantos profundos, fresamento de superfícies 3D (fresamento de perfil), fresamento de canais e ranhuras, fresamento de chanfros etc. Famílias separadas de fresas foram desenvolvidas para lidar com o fresamento de avanço rápido (uma técnica de usinagem específica).
  • Os logotipos das famílias de fresamento indexável da ISCAR começam com a palavra “HELI” (um derivado de “hélice”), e frases como “Aresta de corte helicoidal” e “fresamento helicoidal” são muitas vezes enfatizadas como benefícios nas informações técnicas. Por quê?
    No início da década de 1990, a ISCAR apresentou a HELIMILL – uma família de ferramentas de fresamento que possui pastilhas intercambiáveis com uma aresta de corte helicoidal. A aresta altamente eficaz foi gerada pela intersecção da face superior (ângulo de ataque) da pastilha moldada e da superfície (alívio) do lado da pastilha helicoidal. O design das ferramentas HELIMILL formou um ângulo de ataque positivo constante e um alívio constante ao longo de todos os comprimentos de corte. Esta característica provocou imediatamente uma redução significativa no consumo de energia e assegurou um corte suave. A HELIMILL anunciou uma nova abordagem de design que é considerado hoje o formato reconhecido no fresamento indexável e posicionou as superfícies moldadas de uma pastilha na vanguarda. A palavra “HELI” reflete aresta de corte Helicoidal como um fator significante no avanço destas famílias de fresamento intercambiável.
  • A ISCAR fornece fresas intercambiáveis para usinagem de alumínio?
    Sim. A ISCAR desenvolveu uma gama abrangente de fresas intercambiáveis, projetadas especificamente para a usinagem eficiente de alumínio. Cada família dessas fresas de alta qualidade apresenta designs de corpo integral ou leve, princípios únicos de fixação de pastilha de carboneto, estruturas com cartuchos ajustáveis, várias pastilhas retificadas e polidas com diferentes raios de canto e, mais populares na usinagem de alumínio, pastilhas com pontas de diamante policristalino (PCD). A grande maioria dos cortadores tem canais internos para fornecimento de refrigerante através do corpo. A linha HELIALU da ISCAR de ferramentas de fresamento intercambiável permite a usinagem eficiente de alta velocidade (HSM) de alumínio, garantindo taxas de remoção de metal (MRR) poderosas.
  • O termo “alto positivo” é frequentemente usado quando se fala sobre fresas intercambiáveis. O que isso significa?
    Geralmente, este termo se refere a ângulos de ataque de uma fresa intercambiável. Os avanços na metalurgia do pó resultaram na produção de pastilhas de aresta de corte helicoidal com uma face de inclinação “agressivamente” inclinada em relação à aresta de corte da pastilha. Isso causa um aumento significativo nos ângulos de ataque positivos (normais e axiais) de um cortador que contém as pastilhas. A definição “alto positivo” enfatiza esse recurso. Observação: esta definição reflete a prática moderna atual. Como a produção de ferramentas com pastilhas de metal duro não esgota seus próprios recursos, podemos supor que o “alto positivo” de hoje será considerado o “normal” do futuro.
  • O metal duro é o principal material para pastilhas intercambiáveis na usinagem dos metais. A ISCAR oferece uma variedade rica de classes de metal duro. Onde posso encontrar informações básicas sobre as propriedades da classe, as velocidades de corte recomendadas e o alcance da aplicação?
    A ISCAR oferece uma variedade de catálogos eletrônicos e impressos para guias de referência que contêm essas informações e especificam a estrutura da classe (tipo de substrato, revestimento), o alcance de aplicação de acordo com os padrões ISO e a faixa de velocidades de corte. Entre em contato com representantes da ISCAR em sua região para obter detalhes e assistência.
  • As fresas intercambiáveis possuem canais internos para o uso de refrigerante?
    A maioria das fresas intercambiáveis apresentadas recentemente conta com um canal interno para o fornecimento de refrigerante para cada pastilha diretamente através do corpo da fr
  • Existem fresas de facear que não possuem esses canais de refrigeração. Se for necessário um fornecimento de refrigerante interno, como posso modificar as fresas?
    Na maioria dos casos, essa modificação não é necessária. Em vez disso, a ISCAR propõe parafusos de fixação com bicos ajustáveis para fornecer uma solução simples para o problema. Os parafusos não só prendem as fresas de face nos eixos, mas eles também fornecem de forma eficaz o refrigerante diretamente na zona de corte e melhoram a expulsão de cavacos. Um bico, a parte móvel do parafuso, permite um ajuste fácil do fornecimento de refrigerante, dependendo da profundidade do fresamento, dos tamanhos da pastilha ou das necessidades da aplicação.
  • Como posso garantir a aplicação de torque correto para fixar os parafusos de aperto que prendem as pastilhas nas fresas?
    Em linhas de fresamento intercambiável, a ISCAR fornece dois tipos de chaves de torque: com valor de torque ajustável e fixo. O primeiro tipo permite que o usuário ajuste o torque dentro de um intervalo disponível, enquanto o segundo tipo possui um valor de torque fixo que já está predefinido. Informações sobre o torque necessário para o aperto de parafusos, que prendem as pastilhas, podem ser encontradas em catálogos, guias técnicos e folhetos. Além disso, esses dados agora são impressos no corpo da fresa como um detalhe da descrição.
  • O que é melhor para aumentar a produtividade – variar o avanço ou a profundidade de corte dentro de limites aceitáveis?
    Deve-se notar que a pergunta não possui uma resposta inequívoca e depende de vários fatores. No entanto, em geral, sob o mesmo volume movido, o aumento do avanço em conjunto com a redução da profundidade de corte é mais favorável do que a combinação oposta (menor avanço com corte mais profundo) porque normalmente resulta em uma vida útil maior da ferramenta.
  • Como posso encontrar uma fresa intercambiável mais eficiente para as minhas aplicações?
    Se você conhece os parâmetros de aplicação, o ITA (ISCAR Tool Advisor), um mecanismo de pesquisa assistido por computador, pode ser uma ferramenta muito eficaz. Este software é gratuito e pode ser instalado até no seu smartphone. Se a sua pergunta estiver relacionada com questões mais amplas e considerações sobre a escolha de uma família adequada de fresas, temos recomendações específicas sobre prioridades – entre em contato com nossos representantes para obter assistência.
  • What is turn-milling?
    Turn-milling is a process whereby a milling cutter machines a rotating workpiece. This method combines milling and turning techniques and has many advantages.
  • What are the advantages of turn-milling comparing with classical turning?
    • In turning, machining non-continuous surfaces features interrupted cutting that results in unwanted impact load, poor surface finish and early tool wear. In turn-milling, the tool is a milling cutter that is intended exactly for interrupted cuts with cyclic load.
    • When turning materials with long chips, chip disposal is difficult and identifying the correct chipbreaking geometry of a cutting tool is not simple. The milling cutter used in turn-milling generates a short chip that considerably improves swarf handling.
    • In turning eccentric areas of rotating components (crankshafts, camshafts, etc.), off-center masses of the components cause unbalanced forces that adversely affect performance. Turn-milling with its low rotary velocity of a workpiece significantly diminishes and even prevents this negative effect.
    • In turning, the rotation of heavy-weight parts, which defines the cutting speed, is limited by the characteristics of the main drive. If the drive does not allow rotation of large masses with required velocity, then the cutting speed will be far from the optimal range; and will resulut in low turning performance. Turn-milling provides a way to overcome the above difficulties effectively.
  • How I can calculate cutting data for turn-milling?
    The calculation method is shown in the March 2017 issue of “Welcome to ISCAR’s World”, a collection of articles. The electronic version of the issue can be found also on ISCAR’s site catalogs. If necessary, please contact our local representatives in your area – they will be glad to help with this issue.
    Fresamento de Perfil
  • Qual é a diferença entre fresamento de perfil, fresamento de superfícies contornadas e fresamento de forma?
    Geralmente, essas definições significam a mesma coisa e se relacionam com o fresamento de superfícies 3-D. Esse tipo de usinagem é frequentemente chamado de "usinagem de perfil", ou simplesmente como perfilamento.
  • Quais setores industriais são caracterizados por um grande número de operações de fresamento de perfis?
    Primeiro, é a indústria de Moldes e Matrizes, depois a Aeroespacial, mas quase todas as unidades exigem ferramentas de fresamento de perfis em um grau variável também.
  • Quais tipos de ferramentas são as mais populares para fresamento de perfil?
    No fresamento em desbaste para “pré-moldar” outras superfícies 3-D, os planejadores de processo usam diferentes ferramentas e até mesmo fresas de serviço geral de 90 °. As fresas de avanço rápido * são meios muito eficientes para desbaste de alta eficiência. No entanto, a maioria das operações de fresamento de perfis se refere às fresas toroidais e esféricas porque elas garantem a geração correta de uma forma necessária em todas as direções. * consulte a seção apropriada na sessão de perguntas frequentes (FAQ)
  • Existem insertos com ação de separação de cavacos nos produtos de fresamento de perfis da ISCAR?
    Sim. Além disso, exatamente a partir do MILLSHRED, uma família de fresas intercambiáveis ​​com insertos redondos, a aresta de corte serrilhada dos insertos de fresamento ISCAR foi iniciada.
  • Qual é o diâmetro de corte efetivo de uma ferramenta de fresamento de perfil?
    No fresamento de perfil, devido a forma não reta da ferramenta, um diâmetro de corte é uma função de uma profundidade de corte; e não é o mesmo para diferentes áreas da ponta de ferramenta que está envolvida no fresamento. O diâmetro efetivo é o maior diâmetro de corte verdadeiro: o máximo dos diâmetros de corte dessas áreas. No cálculo dos dados de corte, é muito importante considerar o diâmetro efetivo, pois a velocidade real de corte se refere ao diâmetro efetivo, enquanto a velocidade do fuso se refere ao diâmetro nominal de uma ferramenta.
  • Quais tipos de ferramentas de fresamento de perfis a ISCAR fornece?
    As ferramentas de fresamento da linha ISCAR incluem fresas de Alto Avanço *, toroidais e esféricas nas seguintes configurações de projeto: Ferramentas com insertos intercambiáveis Fresas de topo de metal duro integrais Cabeças de fresamento intercambiáveis com adaptação MULTI-MASTER* * consulte a seção apropriada na sessão de perguntas frequentes (FAQ)
  • O que é fresamento de sobras?
    A usinagem produtiva propõe a aplicação de ferramentas mais duráveis ​​e rígidas para alta taxa de remoção de metal. Em muitos casos, a forma e as dimensões das ferramentas não permitem um corte em alguma área; por exemplo, os cantos de uma cavidade de matriz. O restante do material nas áreas é removido por fresamento de sobras - um método sob um processo tecnológico em que uma ferramenta de menor diâmetro corta as áreas com sobra residual.
    Fresas de topo Inteiriças de Metal Duro
  • Does ISCAR provide solid carbide endmills for machining all groups of engineering materials?
    ISCAR’s SOLIDMILL line consists of various families of solid carbide endmills that are intended for machining different materials: steel, stainless steel, cast iron, etc. The line offers a rich variety of tools covering all application groups under ISO classifications P, M, K, N, S and H.
  • Which types of solid carbide endmills does ISCAR offer as standard products?
    ISCAR’s standard solid carbide endmill products include 90° endmills, ball nose cutters, and tools for high feed (fast feed) milling, chamfering, and deburring. ISCAR also offers families of endmills designed specifically for high speed machining that apply trochoidal milling techniques.
  • What are the advantages of the trochoidal milling method?
    Usually, trochoidal milling is applied to machining slots and pockets. In trochoidal milling, a fast-rotating tool moves along an arc and “slices” a thin but wide layer of material. When the layer is removed, the cutter advances deeper into the material radially and then repeats the slicing. This method ensures uniform tool engagement and stable average chip thickness. The tool experiences constant load, causing uniform wear and predictable tool life. The small thickness of sliced material significantly reduces heat impact on the tool and ensures an increase in the number of tool teeth. This method results in a very high metal removal rate with considerably decreased power consumption and improved tool life.
  • What is the secret of CHATTERFREE geometry?
    CHATTERFREE represents a design utilized in several ISCAR solid carbide endmill families. The main CHATTERFREE features are unequal angular pitch of cutter teeth and variable helix angle. This concept results in substantially reducing or even eliminating vibrations during cutting, which significantly improves performance and tool life.
  • What is a variable helix?
    The term "variable helix" refers to the helix angle in vibration-free designs of solid carbide endmills (SCEM), as are found in ISCAR CHATTERFREE products. A typical SCEM features helical teeth and the helix angle determines the cutting edge inclination of a tooth. In traditionally designed endmills, the helix angle is the same for all flutes, but it varies in vibration-free configurations.
    The term “variable helix” is commonly understood to represent two design features: 1) Combining flutes with unequal helix angles where the angles are constant along every flute.
    2) Helix angle varies along the flute.
    However, the term “variable helix” is correct only in relation to design feature 1 and the term “different helix” should be used to specify design feature 2.
  • Why are FINISHRED endmills often referred to as “Two in One”?
    FINISHRED endmills feature four flutes, two serrated teeth and two continuous teeth. This facilitates the integration of two cutting geometries into a single tool: rough (serrated teeth with chip splitting action) and finish (continuous teeth), so gaining the “two in one” appellation. By running at rough machining parameters, semi-finish or even finish surface quality can be achieved. One such tool can replace two rough and finish endmills, reducing cutting time and power consumption while increasing productivity.
  • Does ISCAR provide instructions for regrinding solid carbide endmills?
    Yes. All catalogues, as well as relevant technical leaflets and brochures, contain instructions for regrinding solid carbide endmills, and ISCAR local representatives are available to advise on this issue.
  • What is a length series?
    Solid carbide endmills of the same type and the same diameter often vary in overall length within a family. According to the length gradation, there are short, medium and long series. Additional series such as extra-short or extra-long can also be applied. As a general rule, short-length endmills ensure highest strength and rigidity whereas extra-long solid carbide endmills are intended for long-reach applications.
  • What is a slot drill?
    “Slot drill” is a name of an endmill that can cut straight down. Slot drills have at least one center cutting tooth and are used mainly to form key slots. Slot drills are typically two-flute mills, but they can have three and even four flutes.
  • ISCAR ball nose solid carbide endmills have two or four flutes (teeth). How should the correct number of flutes for a ball nose endmill be chosen?
    The all-purpose four flute ball nose solid carbide endmills provide a universal and robust production solution for various applications, especially for semi-finish and finish operations. Two flute endmills have a larger chip gullet, which makes them more suitable for rough machining as they ensure better chip evacuation. Two flute tools are also considered to be a workable method for fine finishing due to a lower accumulated error, which depends on the number of teeth. When milling with shallow depth of cut, calculating feed per tooth should take into consideration only 2 effective teeth; as the advantages of a multi-flute design are diminished.
  • Does the ISCAR solid carbide endmill line include miniature endmills?
    ISCAR solid carbide endmill lines include endmills with diameters of tenths of mm. For example, the standard ball nose endmills, which are intended for processing ribs for hard materials, start from a minimal diameter of 0.1 mm.
  • If ISCAR provides solid carbide endmills for machining all groups of engineering materials?
    Yes. ISCAR’s SOLIDMILL LINE consists of various families of solid carbide endmills that intended for machining different materials: steel, stainless steel, cast iron, ets. The line proposes a rich variety of tools, which covers all application groups according to ISO classification: P, M, K, N, S and H.
  • Which types of SCEM ISCAR offers as standard products?
    The majority are 90° endmills, then – ball nose cutters, tools for high feed (fast feed) milling, chamfering and deburring. Also, there are families of endmills that are designed specifically for high speed machining, in particular, by trochoidal milling technique.
  • Why FINISHRED endmills are often called as “Two in One”?
    Usually, the FINISHRED endmills feature 4 flutes, two serrated teeth and two continuous teeth. Thus, they combine two cutting geometries: rough (the serrated teeth with ship splitting action) and finish (the continuous teeth). This is a reason why FINISHRED SCEM are called “Two in One”. They enable running at rough machining parameters, resulting in semi-finish or even finish surface quality. Such a single tool (“One”) can replace the rough and finish endmills (“Two”), dramatically reducing cutting time and power consumption, and increasing productivity.
  • Does ISCAR provides instructions for regrading solid carbide endmills?
    Yes. Every catalogue and various technical leaflets and brochure contain this kind of information. Needless to add, that our local representatives are ready to help in every issue, which relates to regrinding SCEM.
  • Does ISCAR SCEM line propose miniature endmills?
    The answer depends on a definition, what is miniature. There is no distinct border between “mini”, “micro”, “miniature” and so on, in many slogans or tool brand names. Of course, despite the lack of strict and commonly accepted definitions, everyone realizes the range of diameters, which relates to these terms. ISCAR SCEM lines includes endmills featuring diameters of tenths of mm. For example, the standard ball nose endmills, which are intended for processing ribs for hard materials, start from minimal diameter 0.1 mm.
    MULTI-MASTER
  • Como uma cabeça é montada na Haste?
    Um cabeça tem duas superfícies: um cone curto e uma face traseira não cortante que determina a localização do cabeça em uma haste. O cone garante alta concentricidade e a face – uma superfície de contato. A rosca destina-se a prender a cabeça. Portanto, a parte traseira (pescoço) do cabeça tem duas áreas: uma cônica e uma roscada.Durante a montagem, a cabeça é inicialmente encaixado manualmente e depois é apertado usando uma chave. A cabeça tem faces planas para se aplicar uma chave.
  • Pergunta Resposta Como uma cabeça é montada na Haste? Um cabeça tem duas superfícies: um cone curto e uma face traseira não cortante que determina a localização do cabeça em uma haste. O cone garante alta concentricidade e a face – uma superfície de contato. A rosca destina-se a prender a cabeça. Portanto, a parte traseira (pescoço) do cabeça tem duas áreas: uma cônica e uma roscada.Durante a montagem, a cabeça é inicialmente encaixado manualmente e depois é apertado usando uma chave. A cabeça tem faces planas para se aplicar uma chave. Quais são as vantagens do contato na face?
    Primeiramente, a superfície de contato aumenta consideravelmente a rigidez de uma ferramenta montada que compreende uma haste e uma cabeça e sua capacidade de suportar a carga de impacto tão comum no fresamento. Este fator permite o corte estável, minimiza as vibrações e reduz o consumo de energia.Segundo, a superfície de contato garante uma alta repetibilidade do ressalto do cabeçote com relação à haste. Como resultado, não há necessidade de um ajuste adicional após a substituição do cabeçote – sem tempo de instalação – e um operador pode trocar o cabeçote sem remover a haste do fuso da máquina-ferramenta.
  • O que significa “folga inicial”?
    Ao apertar uma cabeça, um operador começa colocando a cabeça manualmente. O cabeça então para em algum ponto e uma pequena folga permanece entre as faces de contato da cabeça e a haste. A partir deste momento, o aperto adicional do cabeça só é possível com o uso da chave. O aperto da cabeça causa deformação elástica da área de contato adjacente da seção de haste, em uma direção radial. O espaço mencionado acima é chamado de “inicial” e é uma característica importante da conexão MULTI-MASTER. O valor da folga é de vários décimos de milímetro, dependendo do tamanho da rosca.
  • Por que a rosca MULTI-MASTER tem um perfil especial?
    As cabeças MULTI-MASTER são produzidas a partir de carboneto de tungstênio. Embora este seja um material extremamente duro e resistente ao calor, ele reduziu a resistência ao impacto contra, por exemplo, o aço rápido (HSS). Portanto, ao projetar uma peça de carboneto de tungstênio rosqueada, a minimização dos concentradores de tensão é um dos principais problemas a ser resolvido. Além disso, a conexão da rosca MULTI-MASTER tem dimensões relativamente pequenas: os diâmetros nominais das roscas ficam aproximadamente entre 4 - 15 mm. Esses tamanhos e a necessidade de atender aos requisitos de resistência para as cargas operacionais podem possivelmente limitar a altura do perfil da rosca. Os pontos acima tornam problemático o uso de roscas padrão e impõem fortemente um formato de rosca especial que irá atender as especificações da conexão. É por isso que a ISCAR projetou a rosca de perfil especial, que foi chamada de “rosca T”.
  • Que tipos de cabeças MULTI-MASTER a ISCAR oferece?
    Cabeças de fresamento de topo de várias formatos - 90°, 45°, 60° etc. Cabeças de fresamento de perfis com ponta esférica, toroidal, raios côncavos e outros formatos Cabeças para fresamento de alto avanço; Cabeças de fresamento de canal para fresamento de ranhuras para anel de retenção ou O-ring, canais em T etc. Cabeças de fresamento de rosca; Cabeças de furo de centro e rebaixos; Cabeças de gravação. As cabeças de fresamento têm vários números de dentes (canais), ângulos helicoidais e graus de precisão, bem como a geometria de corte para a usinagem eficaz de vários materiais de engenharia.
  • O que é uma cabeça de fresamento de tipo econômico?
    Existem dois tipos de cabeças de fresamento de topo MULTI-MASTER. O primeiro tipo de cabeça de fresamento de topo MULTI-MASTER é o mesmo que as fresas de metal duro sólido padrão da ISCAR, mas difere nos comprimentos gerais e na aresta de corte. Uma grande vantagem deste tipo de cabeça de fresamento de topo é que existe uma grande variedade (praticamente toda a linha padrão de fresas sólidas). Para o acabamento e fresamento de materiais duros, aumentar o número de canais torna o corte mais estável e produtivo. As cabeças do primeiro tipo são produzidos a partir de discos cilíndricos escalonados por retífica. O segundo tipo de cabeça de fresamento de topo MULTI-MASTER é a versão econômica; ele é prensado e sinterizado num tamanho ligeiramente maior. A retificação adicional define a forma final de uma cabeça e sua precisão. As cabeças deste tipo têm uma aresta de alta resistência que permite aumentar substancialmente o avanço por dente em comparação com os cabeçotes do primeiro tipo. A tecnologia de pressão permite a produção de diferentes formatos complicadas; embora seja problemático produzi-los com que estes discos escalonados. As cabeças de tipo econômico têm apenas dois canais.
  • Por que as chaves MULTI-MASTER têm duas bocas?
    Devido às características de design das cabeças, uma das bocas, semelhante às bocas de chaves de engenharia comuns, destina-se as cabeças multicanais do primeiro tipo de cabeça de fresamento de topo MULTI-MASTER (veja acima) e os blanks cilíndricos apropriados. A segunda boca é projetada para as cabeças do tipo econômico.
  • A família MULTI-MASTER inclui ferramentas para fazer furos?
    Sim. A família tem cabeças de 45°, 30° e 60° que não se destinam apenas a chanfros, mas também para furo e rebaixo ou escareamento. Além disso, existem cabeças para furo de centro.
  • Um cabeça de furo de centro feito de metal duro sólido é realmente uma solução razoável? Existem várias brocas de centro combinadas padrão de dois lados de baixo custo e escareadores produzidos a partir de HSS.
    Quando comparados com as brocas combinadas de HSS mencionadas acima e os escareadores, as cabeças de furo de centro permitem um aumento considerável da vida útil da ferramenta. AS cabeças funcionam com maior desempenho de corte e, portanto, possibilitam uma maior produtividade. Portanto, recomendamos verificar o custo de produção atual e depois tomar uma decisão levando em consideração todos os fatores relevantes.
  • Qual é a precisão das cabeças?
    O diâmetro nominal dos cabeças de fresamento de precisão normal tem os seguintes limites de tolerância: e8 para cabeças multicanais produzidos a partir de blanks e h9 para os cabeças de tipo econômico. As cabeças precisas para perfis de acabamento são feitos com limites de tolerância para diâmetro de h7 e as cabeças para fresar alumínio - h6. A tolerância diametral para a área de corte cilíndrica dos cabeças para chanfro, furação c/ rebaixo e escareamento é h10.
  • Qual é a tolerância de repetibilidade dos cabeças MULTI-MASTER?
    Conforme mencionado na resposta à pergunta 2, uma das principais vantagens da superfície de contato é uma alta repetibilidade, o que garante uma tolerância fechada para o ressalto da cabeça em relação à face de contato de uma haste. Os limites de ressalto são ± 0,01 mm para a maioria dos cabeças de fresamento de topo.
  • A ISCAR oferece cabeças MULTI-MASTER destinados a fresar aço temperado?
    Sim. Estas cabeças são feitas a partir de uma classe de metal duro submicron resistente a desgastes e de alta vida útil; e têm tolerâncias dimensionais restritas.
  • Quais são os principais tipos de haste e para que finalidade elas devem ser usadas?
    As hastes estão disponíveis em diferentes versões: cilíndricas lisas e com um pescoço. O pescoço pode ser reto ou cônico. As hastes lisas e as pernas com um pescoço reto, denominadas hastes Tipo A no sistema de designação MULTI-MASTER, são hastes de uso geral e são usadas para uma variedade de aplicações. Existe também uma versão reforçada, destinada principalmente a fresar rasgos de chaveta ou fresamento de alto avanço (HFM). Distingue-se por faces planas no corpo de uma haste que as tornam adequadas para fixar adaptadores de tipo Weldon. O Tipo B é uma haste reforçada com um pescoço cônico relativamente curto que tem um ângulo cônico de 5° na lateral. É caracterizada pela maior resistência do corpo durável que define a sua aplicação principal: usinagem pesada. Onde está o tipo C? Para a usinagem de longo alcance em ressalto elevado, a haste Tipo D com um pescoço cônico comprido pode oferecer uma boa solução. Ela tem um ângulo cônico de 1° na lateral e é projetada principalmente para fresar bolsões profundos e cavidades, paredes altas e íngremes etc. Esta haste não deve ser usada em condições de carga pesada. Para aplicações de curto alcance, a família MULTI-MASTER oferece hastes com uma adaptação de pinça. Estes são montados diretamente em um bocal de mandril em vez da pinça de mola. A montagem direta aumenta a rigidez e precisão, e reduz o ressalto geral em relação à face de referência de um fuso da máquina-ferramenta. A família MULTI-MASTER também inclui hastes cilíndricas de aço de comprimento total considerável (pelo menos 10 diâmetros da haste). Estes são destinados principalmente para produzir ferramentas especialmente adaptadas de várias configurações por usinagem adicional das hastes para formar o formato necessário. Tal usinagem pode ser realizada mesmo diretamente pelo cliente. Na verdade, eles são os blanks com uma rosca T interna. Para a conveniência de operações de usinagem adicionais (torneamento, às vezes retificação externa etc.), as hastes são providas de um orifício central na face traseira. A família MULTI-MASTER contém uma variedade de extensões e redutores para conexão com outros sistemas da ISCAR de ferramentas modulares (por exemplo, FLEXFIT).
  • De que materiais as hastes são fabricadas? Como escolher o material correto?
    As hastes são produzidas a partir dos seguintes materiais: aço, carboneto de tungstênio e metal pesado (uma liga contendo 90% a mais de tungstênio). No contexto da funcionalidade, uma haste de aço é a mais versátil. Devido à considerável rigidez do carboneto de tungstênio, uma haste de carboneto destina-se principalmente ao acabamento e ao semi-acabamento, a usinagem em ressaltos elevados e para fresar as ranhuras circunferenciais internas. No caso de corte instável, a aplicação de uma haste de metal pesado pode dar bons resultados devido às propriedades à prova de vibração do metal pesado. No entanto, não são recomendadas hastes de metal pesado para usinagem pesada.
  • As ferramentas MULTI-MASTER são adequadas para o fornecimento de refrigerante diretamente pelo corpo da ferramenta?
    Sim, há um design das hastes com furos para fornecimento interno de refrigerante.
  • As hastes MULTI-MASTER podem ser fixadas em mandris e pinças por contração térmica?
    As hastes de carboneto ou de metal pesado (veja a resposta à pergunta 14) são adequadas para a fixação de ferramentas pelo método de contração térmica. No que diz respeito às hastes de aço, não é recomendado fixá-las em mandris e pinças por contação térmica.
  • É necessário lubrificar as roscas T ao montar os cabeçotes em uma haste?
    Não. Não aplique lubrificantes na conexão da rosca T MULTI-MASTER!
    AVANÇO RÁPIDO
  • Para qual tipo de fresamento com avanço rápido a ISCAR fabrica ferramentas de corte?
    A linha da ISCAR de fresas de avanço rápido compreende ferramentas com pastilhas intercambiáveis, ferramentas tipo Multi-Master e fresas de topo de metal duro integral.
  • Qual operação de fresamento é mais eficiente para a aplicação de fresas FF ("Fast Feed", avanço rápido)?
    As aplicações mais eficazes para fresas "FF" são desbaste de planos,alojamentos e cavidades.
  • Qual é o significado do "Triplo F" ou "FFF" que costuma ser mencionado em edições técnicas e apresentações da ISCAR?
    "FFF" refere-se ao fresamento de face frontal de avanço rápido, ou faceamento de avanço rápido. O fresamento de superfícies planas em desbaste são algumas das aplicações mais eficientes e difundidas para fresas FF. A operação geralmente se refere ao fresamento frontal, de modo que o acrônimo FFF geralmente se refere ao fresamento frontal de avanço rápido. FFF também pode significar faceamento de avanço rápido, uma vez que operações de fresamento de planos são conhecidas como faceamento.
  • O fresamento de avanço rápido é considerado uma técnica de remoção de metal de eficiência elevada quando são usinadas peças de aço ou de ferro fundido. Fresas FF podem ser aplicadas para a usinagem de materiais difíceis de usinar como titânio ou ligas resistentes a temperatura elevada?
    Fresas FF podem ser usadas na usinagem de materiais difíceis de usinar. A geometria de corte neste caso difere da geometria da ferramentas de fresamento de alto avanço FF em geral, que devem ser usadas no aço e ferro fundido. Além disso, o avanço por dente é significativamente menor em comparação com a usinagem de aço e ferro fundido; no entanto, este valor é muito mais elevado do que os valores de avanço recomendados para métodos tradicionais
  • O que são fresas MF?
    MF significa "moderate feed" (avanço moderado): moderado em comparação com o "avanço rápido" do fresamento FF, mas mais rápido do que o padrão do fresamento tradicional. O método MF deve ser usado para elevar produtividade ao usar máquinas lentas e de baixa potência,ou no fresamento de aplicações muito pesadas, etc.
    Fresamento de Bolsões e Canais
  • quais ferramentas são usadas para o fresamento de ranhuras?
    Em linhas gerais, ferramentas de fresamento de diversos tipos – fresas de disco, fresas de topo, fresas de dente estendidos e mesmo fresas de facear – são adequadas para fresar ranhuras e canais. No entanto, somente as fresas de disco com dentes na face e na periferia são concebidas especialmente para usinar ranhuras e canais, ao passo que outras são criadas para várias operações de fresamento. A linha de ferramentas de fresamento de ranhuras da ISCAR consiste em fresas de disco.
  • Qual é a diferença entre "ranhura" e "canal"?
    Os termos "ranhura" e "canal" costumam ser sinônimos. Mas se "ranhura" geralmente se refere a uma abertura estreita, comparativamente longa, principalmente longitudinal e de extremidade aberta (ao menos de um lado); "canal", via de regra, refere-se a um canal circular (chamado de "cava") ou canal helicoidal. Já foi dito que "um canal é uma ranhura aberta".
  • Ferramentas de fresamento de ranhuras costumam ser chamadas de ferramentas de ranhuramento. Isto está certo?
    O termo "ranhuramento", também conhecido como "fresamento de ranhuras", foi disseminado no linguajar das oficinas, mas as duas aplicações não são idênticas ou intercambiáveis. O ranhuramento refere-se especificamente a um estágio de aplainamento ou conformação – um processo de usinagem no qual uma ferramenta de corte de aresta simples se move linearmente como um pistão, e uma peça de trabalho é fixada ou se move apenas linearmente contra a ferramenta.
  • Por que fresas de ranhuramento são chamadas de fresas de disco laterais e fresas de facear?
    Uma fresa de ranhuramento tem dentes na sua face e na sua periferia, e exibe uma face e lados cortantes para a usinagem simultânea de três superfícies: a parte inferior e as duas paredes laterais de uma ranhura.
  • Quais são os principais tipos de fresas de ranhuramento?
    As fresas de ranhuramento diferem em sua forma de fixação (métodos de montagem). Elas têm configurações de furo tipo arbor,ou com haste ou ainda, como alternativa, cabeçotes de fresar intercambiáveis com montagem modular.
  • Qual é o programa da ISCAR para fresas de ranhuramento?
    A ISCAR está tem desenvolvido fresas de ranhuramento em vários campos: - Fresas com pastilhas intercambiáveis - Ferramentas de fresamento de ranhuras montadas com sistema Multi-Master com cabeças intercambiáveis - Fresas de ranhura em T montadas com cabeças de Metal duro integral intercambiáveis
  • Quais ranhuras são definidas como sendo estreitas?
    O termo "ranhura estreita" geralmente define uma ranhura profunda pouco larga. Uma regra mais rigorosa, porém empírica, considera uma "ranhura estreita" como sendo uma fenda com largura menor do que 5 mm e profundidade de ao menos 2,5 vezes a largura.
    Fresas de Canas Extendido
  • Por que fresas de "canais estendidos"?
    A lâmina de corte de uma fresa de canal estendido consiste em um conjunto de pastilhas intercambiáveis colocadas gradualmente com uma compensação mútua entre si. Em comparação com uma fresa intercambiável ordinária, cujo comprimento de corte é limitado pela aresta de corte de sua pastilha, o comprimento de corte da fresa de canal estendido é significativamente maior – ele é "estendido" devido ao conjunto de pastilhas sobrepostas.
  • Quais são os outros termos técnicos para fresas de canal estendido?
    Fresas de canal estendido também são referidas como fresas tipo abacaxi e fresas "porco espinho" (também chamadas de "porco espinho" no jargão das oficinas).
  • Quais são as principais aplicações para fresas de canal estendido?
    Fresas de canal estendido são criadas para o fresamento em desbaste de alto desempenho: fresamento de laterais profundos (o chamado "lateral elevada"), bolsões e cavidades profundas ("alojamentos") e bordas largas.
  • Fresas de canal estendido podem ser aplicadas nas operações de semi-acabamento?
    Sim. Há soluções que garantem este tipo de usinagem. Por exemplo, fresas ISCAR HELITANG FIN LNK com pastilhas perifericamente retificadas e fixadas tangencialmente foram criadas para o fresamento de semi-acabamento.
  • Por que vários tipos de pastilhas intercambiáveis para fresas de canal estendido incluem um design com separação de cavacos?
    Fresas de canais estendidos são usadas em condições de cargas pesadas. Os seguintes fatores melhoram consideravelmente o desempenho da fresa, sendo o motivo pelo qual uma geometria de separador de cavacos costuma ser integrada no design de fresas de canal estendido: O separador de cavacos resulta em um cavaco largo dividido em segmentos pequenos, o que melhora o escoamento e o manuseio de cavacos. A ação de separação de cavacos atua no amortecimento de vibrações de uma fresa. Em muitos casos, a separação de cavacos reduz as forças de corte e o consumo de energia, levando a uma geração de calor menor durante o fresamento. Segmentos pequenos têm menos tendências de ser re-cortados; isto melhora bastante o fresamento de desbaste de cavidades profundas e aumenta a vida útil das ferramentas.
  • Quais são as configurações de design das fresas de canal estendido da ISCAR?
    A linha standard da ISCAR de fresas de canal estendido compreende vários designs: Fresas de canal estendido e de facear Fresas com hastes cilíndricas (lisas ou com planos, "tipo Weldon") Fresas com hastes cônicas (7:24, HSK) Haste cônica poligonal CAMFIX e cabeças intercambiáveis com conexão FLEXFIT
  • As fresas de canal estendido da ISCAR possuem canais de refrigeração internos?
    A maioria das fresas de canal estendido da ISCAR tem um canal interno para refrigeração através do corpo da fresa.
  • A ISCAR recomenda fresas de canal estendido para o fresamento de titânio?
    Sim. O fresamento de titânio costuma envolver a remoção de uma quantia considerável de material de usinagem. Trata-se de umprocesso com uma proporção grande de sobre material em relação a peça acabada, e uma grande quantidade de material precisa ser removida. Fresas com canais estendidos possuem vantagens de desempenho significativas nesta área e o seu uso pode reduzir o tempo de ciclo drasticamente.
    Fresando Engrenagens e Estrias
  • Does ISCAR provide tools for milling gears and splines?
    ISCAR’s current tool program, for milling spur gears with straight teeth and splines, has been developed to include three types of cutter:
    • cutters with indexable inserts
    • cutters with replaceable cutting heads based on the T-SLOT concept
    • cutters with replaceable MULTI-MASTER cutting heads
  • For which method of generating teeth are ISCAR’s milling tools intended?
    At present, ISCAR produces tools to generate tooth profiles by form milling.
  • When talking about generating a tooth profile, what is meant by “form milling”?
    Form milling is one of the methods for generating tooth profiles. In form milling, a milling cutter with a working shape like the contour of a tooth space, machines every tooth individually; and a workpiece is indexed through a pitch after generating one space.
  • Are there other methods of generating tooth profiles, apart from form milling?
    The principal methods (in addition to form milling) include gear hobbing, which uses a hob, a cutter with a set of teeth along a helix that mills the workpiece and that rotates together with the workpiece in a similar way to a worm-wheel drive; gear shaping with the use of a gear-shaping cutter, a rotating tool that visually resembles a mill; and by power skiving - a technique that combines gear milling and gear shaping. There are also other methods of generating teeth profiles, such as gear broaching, gear grinding, and gear rolling.
  • Is milling gear teeth the final operation of a gear-making process?
    In general, milling gear teeth is not the final operation in the gear-making process. After this operation, it is necessary to remove burrs and then the sharp edges of the teeth should be rounded or chamfered, for better engagement. Gear rounding, and gear chamfering operations are necessary to avoid quenching gears with sharp edges, which may cause various micro cracks that affect gear life. In addition, milling teeth ensures parameters that feature only gears of relatively low accuracy. As manufacturing precise gears demands tougher characteristics of accuracy and surface finish, other processes such as gear shaving, gear grinding, gear honing, etc., are also applied.
  • Usually, form gear milling relates mainly to individual and low-batch production. Why do manufacturers of general-purpose cutting tools, including ISCAR, include form gear milling cutters in their program for standard lines?
    With batch manufacturing, milling gear teeth is made on specific gear hobbing machines as gear hobbing productivity is substantially higher. However, advanced multifunctional machine tools increasingly widen the range of machining operations that can be performed. Technological processes developed for these machines are oriented to maximize machining operation for one-setup manufacturing, creating a new source for more accurate and productive manufacturing. Milling gears and splines is one of the operations suitable for performing on the new machines.
    These new machines require appropriate tooling and manufacturers of general-purpose cutting tools are reconsidering the role of gear-milling cutters in their programs for standard product lines.
  • What is the module in gearing?
    The module (modulus) is one of the main basic parameters of a gear in metric system. It is measured in mm. The module m of a gear with pitch diameter d and number of teeth z is the ratio of the pitch diameter to the number of teeth (d/z).
  • Does the inch (Imperial) system of gearing also use the module as a basic parameter in gearing?
    The inch (Imperial) system operates another basic parameter: the diametral pitch. This is the number of gear teeth per one inch of the pitch diameter. If a gear has N teeth and it features pitch diameter D (in inches), diametral pitch P is calculated as N/D. Sometimes, when specifying gears in inch units, the so-called English module is used. In principle, this module has the same meaning as the module in the metric system, e.g. the ratio of the pitch diameter and the number of teeth; however, the pitch diameter should be taken in inches and not in millimeters like in the metric system.
  • What is the difference between gear and splines?
    Gears in a gear train are intended for transmitting rotational movement between 2 shafts (while the axes of the shafts are not always parallel) and, in most cases, this transmission is combined with changing torque and rotational speed. The gears are used also for transforming rotational movement into linear movement. A splined joint is a demounted connection of two parts to transfer the torque from one to another. The torque is not changed here.
  • What is the difference between splines and serrations?
    Within this context, serrations represent a type of spline. The serrations feature V-shaped space between teeth. They are commonly used in small-size connections.
    Canal
  • Qual é a primeira escolha para canais pesados?
    Apenas para aplicações de Canal, use a pastilha DOVEIQGRIP TIGER que vem em larguras de 10 a 20 mm. Para aplicações de Canal-Torneamento, use a pastilha SUMO-GRIP TAGB que vem nas larguras de 6 a 14 mm.
  • Qual é o melhor formador de cavaco para usinagem de materiais dúcteis / macios?
    Use o Quebra cavaco tipo “N”. Ele é oferecido nas larguras de 3 a 8 mm para pastilhas GIMN externas e nas larguras de 2 a 5 mm para pastilhas internas GEMI / GINI.
  • Quais são as classes recomendadas para usinar os materiais ISO-M / ISO-P?
    A primeira escolha para muitas aplicações é IC808. Se você precisar de uma classe mais dura com mais resistência ao desgaste, use IC807. Se você precisa de uma classe mais resistente a impactos (Cortes interrompidos), use IC830.
  • Qual é a melhor classe para usinagem de ISO-S (ligas resistentes a alta temperatura)?
    IC806 é para usinagem de ligas resistentes a alta temperatura como sua primeira escolha. Para materiais ISO-S mais duros (HRC> 35), use IC804.
  • Que porta-ferramentas de Canal eu devo usar em máquinas tipo suíças?
    se nossas ferramentas únicas de fixação lateral GEHSR / GHSR, que fornecem acesso dianteiro e traseiro que é muito mais fácil para máquinas tipo suíças (ao contrário do aperto superior convencional).
  • Quais são as classes / geometrias mais recomendadas para operações de canal / torneamento de ferro fundido?
    Use as pastilhas TGMA / GIA que apresentam uma aresta reforçada tipo-K combinado com classes IC5010 ou IC428.
  • Quais são as classes / geometrias mais recomendadas para o canal / torneamento de alumínio?
    Use as pastilhas GIPA / GIDA / FSPA que tenham uma aresta de corte muito afiada e positiva e um ângulo de ataque superior polido combinado com uma classe de metal duro IC20 ou ID5 PCD. Para larguras de 6 a 8 mm, as pastilhas redondas FSPA são a melhor escolha devido ao seu método de aperto superior.
  • Quais ferramentas / pastilhas devo usar para Canais internos em furos de pequeno diâmetro?
    Diâmetro do furo de 2 a 10 mm: use pastilhas PICCO nas ferramentas PICCO ACE. Diâmetro do furo de 8 a 20 mm: use pastilhas GIQR nas ferramentas MGCH. Diâmetro do furo de 12 a 25 mm: use pastilhas GEMI / GEPI nas ferramentas GEHIR.
  • Como posso reduzir as vibrações?
    Use o mínimo AP possível. Trabalhe com RPM constante. Reduza o RPM, se necessário. Reduza o raio de ponta da pastilha para diminuir o esforço de corte. Para larguras de 6 e 8 mm, use as lâminas anti-vibração WHISPERLINE.
  • Em que casos você recomenda o uso de ferramentas JETCUT com refrigerante interno?
    As ferramentas JETCUT são recomendadas para todos os níveis de pressão de refrigerante (10 - 340 Bar) e todas as aplicações, pois oferecem um fornecimento de refrigerante repetitivo e confiável diretamente para a aresta de corte no ponto exato em que é necessário, melhorando a vida útil da ferramenta e controle de cavacos.
    Corte
  • Quais são as prioridades da ISCAR para Corte de peças?
    Para aplicações gerais de até 38 mm de diâmetro da peça, use pastilhas de duas arestas da família DO-GRIP. Acima de 38 mm: use a família TANG GRIP – pastilha de aresta única. Até 40 mm de diâmetro: use PENTA IQ, uma pastilha altamente econômica com 5 arestas de corte.
  • Qual é a melhor classe para usinagem de aço (ISO P)
    IC 808/908
  • Qual é a melhor geometria de quebra cavaco para usinagem de aço?
    Use a geometria “C”, por exemplo DGN 3102C
  • Quais são as ferramentas e pastilhas mais recomendadas para usinagem de peças em miniatura?
    A primeira escolha é a família DO-GRIP da ISCAR (pastilhas de duas arestas) que tem geometria positiva, por exemplo, DGN 3102J e DGN 3000P. Use ferramentas com dimensões de Cabeça Curto, por exemplo, DGTR 12B-1.4 D24SH. A segunda escolha é usar PENTA CUT da ISCAR, uma pastilha econômica com 5 arestas de corte, por exemplo: PENTA 24N200J020 IC1008 (pastilha) PCHR 12-24 (ferramenta)
  • Qual é a melhor ferramenta para aplicações pesadas?
    Use a pastilha TANG GRIP da ISCAR (uma aresta) – escolha a largura de acordo com o diâmetro da peça. Para aplicações pesadas, a ISCAR oferece larguras de pastilha de 5 a 12,7mm. A classe IC830 é mais adequada. A geometria de quebra cavaco recomendada é tipo “C”
  • Como reduzir a rebarba da peça?
    Use uma pastilha de estilo R ou L – essas pastilhas têm um ângulo de inclinação, de modo que a lâmina de corte não é reta. Use também um ângulo de ataque de corte positivo, por exemplo: DGR -3102J- 6D (6D = 6 graus de ângulo de inclinação). É altamente recomendável reduzir o avanço em 50% no corte final.
  • Como melhorar a vida útil da pastilha?
    Analise os fenômenos de desgaste e escolha a classe de acordo: Desgaste: use uma classe mais dura, como IC808 ou 807; Quebras: escolha uma classe mais tenaz, como IC830
  • Qual é a melhor pastilha para um corte interrompido?
    Use um ângulo de ataque de corte negativo, como o quebra cavaco “C” e classe IC830.
  • Como melhorar o controle de cavacos quando aparecem cavacos longos?
    Selecione o formador de cavacos correto e os parâmetros de corte para obter uma boa formação de cavacos. Escolha um formador de cavacos mais agressivo. Para aumentar o avanço, consulte o guia do usuário da ISCAR
  • Como melhorar a retilinidade da peça e a qualidade superficial?
    Use pastilha neutra e uma ferramenta estável com o balanço mínimo necessário. Ajuste os parâmetros de corte.
    Furação
  • Qual é a taxa de vazão de refrigerante recomendada?
    Depende do diâmetro. Por exemplo, a taxa de vazão mínima para SUMOCHAM de 6 mm é de 5 litros por minuto. Para 20 mm, a taxa de vazão mínima exigida é de 18 litros por minuto. Para obter mais informações, consulte o guia do usuário do SUMOCHAM em nosso catálogo, página 491.
  • Qual é a pressão de refrigerante recomendada?
    Depende do diâmetro e do comprimento da ferramenta. Por exemplo, a pressão mínima para SUMOCHAM de 6 mm em 8xD é de 12 bar. Para SUMOCHAM de 25 mm em 12xD, a pressão mínima necessária é de 4,5 bar. Para obter mais informações, consulte o guia do usuário do SUMOCHAM em nosso catálogo, página 491.
  • Qual a retilinidade possível com a linha SUMOCHAM?
    Com uma fixação e setup estável, o desvio pode variar de 0,03 mm a 0,05 mm para cada 100 mm de profundidade de furação. Importante: os resultados alcançados podem variar dependendo da máquina, fixação, adaptação etc.
  • Qual é o ciclo de furação profundo correto com o pré-furo e a próxima ferramenta?
    Para evitar erros, é melhor preparar o pré-furo com a mesma geometria que você pretende usar para a operação de furação profunda subsequente. Para uma explicação mais detalhada, consulte o nosso catálogo, página 492.
  • É possível fazer uma operação de mandrilamento com SUMOCHAM?
    Não, a família SUMOCHAM não foi projetada para operações de mandrilamento. Podem ocorrer falhas na ferramenta e na cabeça.
  • Qual é a geometria recomendada para o titânio?
    A primeira escolha é ICG. A segunda escolha é ICP.
  • É possível reafiar as cabeças SUMOCHAM?
    Sim, as geometrias ICP / ICK / ICM / ICN podem ser reafiadas até três vezes. Veja uma explicação detalhada nas páginas 502-504 em nosso catálogo. Observação: as geometrias FCP / HCP / ICG / ICH podem ser reafiadas apenas em na Iscar em Isrel (TEFEN).
  • Qual é o desvio (batimento) máximo permitido para SUMOCHAM?
    Para alcançar o melhor desempenho e a melhor vida útil da ferramenta, o batimento radial e axial não deve exceder 0,02 mm. Um guia do usuário detalhado pode ser encontrado em nosso catálogo, começando na página 490.
  • É possível usar SUMOCHAM para operações de corte interrompidas?
    A linha SUMOCHAM não pode suportar operações de corte interrompidas. Pode ocorrer perda da força de aperto da ferramenta, levando à soltura da ponta.
  • Que solução a ISCAR recomenda para materiais duros?
    Para materiais duros, recomendamos nossas brocas de metal duro integral SCD-AH feitas a partir da classe IC903, ou uma opção semi-standard para a linha SUMOCHAM, os cabeças ICH.
  • Que tipo de adaptador é recomendado?
    O adaptador recomendado é aquele que é mais adequado para a haste da ferramenta. Por exemplo, se a haste for redonda, o adaptador mais preciso seria do tipo HYDRO. Consulte a página 829 em nosso catálogo.
  • Qual deve ser a saída máxima da ponta após atravessar a peça com a broca SUMOCHAM?
    A saída após atravessar os materiais não passar de 2-3 mm além da borda no final da aresta da ponta.
  • Qual é a sua solução recomendada para usinagem de alumínio?
    Resposta: Depende da aplicação. A linha SUMOCHAM possui pastilhas ICN, que oferecem uma solução dedicada para furar materiais não ferrosos.
  • Quais são os critérios usados para indicar quando as cabeças SUMOCHAM estão desgastadas?
    É melhor medir o desgaste em um microscópio. Indicadores adicionais de desgaste estão ilustrados na página 493 em nosso catálogo.
    Alargamento
  • Quando é necessária uma operação de alargamento?
    Uma operação de alargamento é necessária quando os requisitos de tolerância e / ou acabamento de superfície forem rígidos e não puderem ser alcançados por furação ou mandrilamento.
  • Para qual campo de tolerância os alargadores padrão são adequados?
    Os alargadores padrão da ISCAR são adequados para o campo IT7.
  • Os alargadores padrão são adequados para todos os materiais?
    Os alargadores padrão são adequados para a maioria dos materiais, mas para os grupos de materiais ISO N e ISO S, é preferível consultar o departamento técnico para obter a solução mais adequada.
  • Qual é a vida útil média da ferramenta para um alargador?
    Uma vez que existem muitos fatores diferentes que afetam a vida útil da ferramenta (como material, refrigerante, tolerância, desvio etc.), é difícil estimar a vida útil da ferramenta e cada caso deve ser investigado individualment
  • É possível alargar um furo sem refrigerante?
    Não. É impossível alargar um furo sem refrigerante; a situação mais ideal é trabalhar com refrigerante interno, mas o alargamento de furos com refrigerante externo também é uma opção.
  • Que sobre metal recomendado deve ser deixado antes do alargamento?
    O sobre metal recomendado depende do material usinado, do diâmetro do alargador e da ferramenta utilizada para a preparação do furo. Em geral, pode variar de 0,15 a 0,4 mm por diâmetro.
  • Qual é o batimento do fuso permitido para uma operação de alargamento?
    Em geral, o batimento permitido para alargamento é de cerca de 0,01 mm, mas isso também depende do tamanho e do requisito de tolerância. Acima de 0,01 mm, o cliente deve usar um sistema ADJ para compensação e ajuste de desvio.
    ISO
  • Como aumentar a produtividade para superligas e materiais à base de Ni com classes de cerâmica da ISCAR?
    A ISCAR possui uma vasta gama de classes de cerâmica, como a IW7, para usinagem de superligas e materiais à base de Ni. Nossas classes de cerâmica têm a capacidade de trabalhar dez vezes mais rápido na velocidade de corte – de 150 m/ min até 450 m/ min – o que é dez vezes maior do que qualquer pastilha de metal duro convencional. Isso aumenta drasticamente a produtividade.
  • Qual é a primeira escolha da ISCAR em quebra cavacos para usinagem de aço?
    A ISCAR apresenta três novos quebra cavacos para acabamento, torneamento médio e pesado de aço: F3P, M3P e R3P. Os quebra cavacos, combinados com as classes SUMO TEC da ISCAR, proporcionam maior produtividade, maior vida útil da ferramenta, maior qualidade da peça e desempenho mais confiável. Os novos quebra cavacos geram menos calor e evitam que os cavacos se predam em ferramentas de corte e componentes. Os cavacos são divididos em pedaços menores, impedindo que eles se enrosquem em torno da peça e permitindo uma remoção mais eficiente das correias transportadoras.
  • Como melhorar o controle de cavacos com a pastilha CBN?
    As pastilhas CBN são usadas principalmente para usinagem de materiais duros com níveis de dureza elevados de 55 até 62 RC. As pastilhas CBN convencionais oferecem uma ampla variedade de pontas soldadas e planas que produzem cavacos longos e ondulados durante o torneamento / usinagem de aço duro. O resultado são cavacos longos que riscam a peça e danificam a qualidade da superfície. A solução da ISCAR é uma nova pastilha CBN com quebra cavacos retificados na aresta de corte, proporcionando excelente controle de cavacos em aplicações médias e de acabamento com superfície de alta qualidade.
  • Como reduzir as vibrações em uma barra de mandrilamento com um balanço elevado maior que 4xD?
    Em todo o mundo, os operadores de máquinas têm que lidar com a presença de vibrações problemáticas diariamente. Para ajudar a resolver essas dificuldades, a divisão de Pesquisa e Desenvolvimento da ISCAR produziu uma barra de torneamento anti-vibração que contém o mecanismo de amortecimento dentro do corpo. Isso reduz e até mesmo elimina as vibrações ao usar barras com um balanço elevado. A nova linha anti-vibração é chamada WHISPER
  • Como aumentar a produtividade na usinagem de ferro fundido cinzento com classes de cerâmica da ISCAR?
    O ferro fundido cinzento é reconhecido como o material mais popular na indústria automotiva. Para a usinagem de ferro fundido cinzento, a ISCAR oferece uma ampla gama de classes de cerâmica, como pastilhas IS6 SiAlON. A classe IS6 foi desenvolvida para aumentar a produtividade na usinagem de ferro fundido cinzento. A principal vantagem das nossas classes de cerâmica IS6 SiAlON é a capacidade de trabalhar de três a quatro vezes mais rápido na velocidade de corte, de 400 m/ min até 1200 m/ min, o que é três vezes maior do que qualquer pastilha de carboneto convencional. Isso aumenta a produtividade drasticamente.
  • Qual é a primeira escolha da ISCAR em quebra cavacos para usinagem de aço inoxidável?
    A ISCAR está introduzindo 3 novos quebra cavacos: F3M, M3M e R3M para torneamento de acabamento, médio e desbaste de aço inoxidável que, juntamente com as classes SUMOTEC mais avançadas, proporcionam uma maior produtividade, maior vida útil das ferramentas e confiabilidade de desempenho.O quebra cavacos F3M tem ângulos de ataque positivos para corte suave, menor força de corte e desgaste da pastilha, levando a uma vida útil de ferramenta drasticamente maior. O quebra cavacos M3M é para usinagem média de aço inoxidável com lâmina de corte reforçada e ângulo de ataque positivo para reduzir as forças de corte e para corte suave. O quebra cavacos R3M é para usinagem em desbaste de aço inoxidável com aresta de corte reforçada e ângulo de ataque positivo para reduzir as forças de corte.
  • Qual é o efeito do refrigerante de alta pressão?
    A principal vantagem das ferramentas JETCUT é a capacidade de fornecer o refrigerante diretamente na zona de corte para garantir uma alta eficiência de refrigeração para melhorar o controle de cavacos, reduzir o calor e prolongar a vida útil da pastilha. O efeito do refrigerante de alta pressão é obtido principalmente na usinagem de materiais exóticos e macios, como superligas, aço inoxidável, titânio etc.
    Classes de Cerâmica e Pastilhas
  • Como aumentar a produtividade de superligas à base de Ni e outras superligas com classes de cerâmica da ISCAR?
    A ISCAR possui uma vasta gama de classes de cerâmica, por exemplo, IW7, para usinagem de superligas à base de Ni e outras superligas. Nossas classes de cerâmica têm a capacidade de trabalhar 10 vezes mais rápido na velocidade de corte, a partir de 150 m/ min e indo até 450 m/ min, o que é 10 vezes maior do que qualquer pastilha de metal duro convencional. Isso aumenta a produtividade drasticamente.
  • Quais geometrias de quebra cavacos a ISCAR recomenda para usinagem de aço?
    A ISCAR introduziu três novos quebra cavacos para torneamento de aço: acabamento, médio e pesado: F3P, M3P e R3P. Combinados com as classes SUMO TEC da ISCAR, os quebra cavacos oferecem maior produtividade, maior vida útil da ferramenta, melhor qualidade da peça e desempenho mais confiável. Os novos quebra cavacos geram menos calor e evitam que os cavacos se prendam na ferramentas e componentes de fixação. Os cavacos são divididos em pedaços menores, impedindo que eles se enrosquem em torno da peça e permitindo uma remoção mais eficiente das esteiras transportadoras.
  • Como melhorar o controle de cavacos com pastilhas CBN?
    As pastilhas CBN são principalmente para usinagem de materiais duros com alta dureza – materiais de 55 até 62 HRC. As pastilhas CBN convencionais oferecem uma ampla gama de pontas flexíveis e soldadas que produzem cavacos longos e ondulados durante a usinagem de aço duro, resultando em cavacos longos que riscam a peça e prejudicam a qualidade da superfície. A solução da ISCAR é uma nova pastilha CBN com quebra cavacos retificado na aresta de corte, proporcionando excelente controle de cavacos em aplicações médias e de acabamento com superfície de alta qualidade.
  • Como reduzir as vibrações em uma barra interna com um balanço elevado de mais de 4xD?
    Em todo o mundo, os operadores de máquinas têm que lidar com a presença de vibrações problemáticas diariamente. O departamento de Pesquisa e Desenvolvimento da ISCAR projetou e desenvolveu a gama de ferramentas antivibração WHISPERLINE para resolver este problema, incluindo uma barra de mandrilar com o mecanismo de amortecimento dentro do corpo que elimina e reduz as vibrações ao usar barras com um balanço elevado.
  • Como aumentar a produtividade do ferro fundido cinzento com as classes de cerâmica da ISCAR?
    O material mais popular na indústria automotiva é o ferro fundido cinzento. Para a usinagem de ferro fundido cinzento, a ISCAR oferece uma ampla gama de classes de cerâmica, incluindo as pastilhas IS6 SIALON. Desenvolvida especialmente para aumentar a produtividade em ferro fundido cinzento, a classe IS6 SAILON pode funcionar 3 ou 4 vezes mais rápido na velocidade de corte – de 400 m/ min e até 1200 m/min, o que é 3 vezes maior do que qualquer pastilha de metal duro convencional. Isso aumenta a produtividade drasticamente.
  • Qual é a primeira escolha da ISCAR em geometrias de quebra cavacos para usinagem de aço inoxidável?
    A ISCAR apresenta três novos quebra cavacos: F3M, M3M e R3M para torneamento de aço inóx: acabamento, médio e pesado. Combinados com as classes SUMOTEC mais avançadas, os quebra cavacos oferecem maior produtividade, vida útil da ferramenta e confiabilidade de desempenho. O quebra cavacos F3M tem ângulos de ataque positivos para corte suave, força de corte reduzida e menor desgaste da pastilha, levando a uma vida de ferramenta drasticamente maior. O quebra cavacos M3M foi projetado para a usinagem média de aço inoxidável com aresta de corte reforçada e ângulo de ataque positivo, para reduzir as forças de corte e garantir o corte suave. O quebra cavaco R3M é projetado para usinagem em desbaste de aço inoxidável com aresta de corte reforçada e ângulo de ataque positivo, para reduzir as forças de corte.
  • Qual é o efeito do refrigerante de alta pressão?
    As ferramentas JETCUT têm a capacidade de fornecer refrigerante diretamente na zona de corte, garantindo alta eficiência do refrigerante, melhor controle de cavacos, calor reduzido e vida útil mais longa da pastilha. O efeito do refrigerante de alta pressão é aplicado à usinagem de materiais macios e de baixa dureza, como superligas, aço inoxidável, titânio etc.
    Rosqueamento
  • Qual é a classe mais adequada para a usinagem de aço inoxidável?
    IC1007
  • Qual é a classe mais adequada para usinagem de HTA (ligas resist. a altas temperaturas?
    IC806
  • Qual é a classe mais adequada para máquinas de baixa velocidade e instáveis?
    IC228
  • Qual é a menor passagem recomendada para o perfil da rosca?
    Maior que o tamanho do rone.
  • Por que o quebra cavacos não funciona?
    Aparentemente, a profundidade de corte é muito pequena, então o quebra cavaco é ineficiente
  • Como podemos melhorar o controle de cavacos?
    Melhore o controle de cavacos selecionando o tipo de entrada correto:Entrada radial; Entrada de flanco; Entrada de flanco alternada
  • Como podemos encurtar o tempo de processo?
    Use pastilhas de rosqueamento com múltiplos dentes (2M, 3M)Combinações de dois ou três dentes permitem menos passagens e tempos de corte mais curtos. Estes estão disponíveis para os perfis e passos mais comuns e são uma boa opção para o rosqueamento econômico na produção em massa.
  • Qual é a diferença entre a pastilha de perfil parcial ou completo?
    Perfil parcial: Realiza roscas standards diferentes e é adequado para uma ampla faixa de passos que têm um ângulo comum (60° ou 55°). Pastilhas com um pequeno raio de canto adequado para o menor passo da faixa. São necessárias operações adicionais para completar o diâmetro externo / interno. Não recomendado para produção em massa. Elimina a necessidade de pastilhas diferentes. Perfil completo: Realiza rosca com o perfil completo.O raio do canto é apenas adequado para o passo relevante. Recomendado para produção em massa. Adequado apenas para um único perfil.
  • Como selecionar o calço correto?
    Calços de ângulo de inclinação positivo são aplicáveis para o torneamento da rosca do lado direito com os porta-ferramentas do lado direito ou a rosca do lado esquerdo com os porta-ferramentas do lado esquerdo. Os calços de inclinação negativa são usadas ao tornear a rosca do lado direito com o porta-ferramentas do lado direito ou a rosca do lado esquerdo com o porta-ferramentas do lado esquerdo. Use calços AE para porta-ferramentas externos do lado direito e internos do lado esquerdo. Use calços Al para porta-ferramentas internos do lado direito e externos do lado esquerdo.
    Classes de Metal_Duro
  • O que é material de ferramenta?
    Em ferramentas de corte, um material de ferramenta é o material do qual a parte ativa (corte) de uma ferramenta é produzida. Este é o material que corta diretamente a peça durante a usinagem.
  • Como a ISCAR designa seus materiais de ferramentas?
    O sistema da ISCAR de designar classes de material de ferramenta usa letras e números. As letras indicam o grupo de materiais: IB – Nitreto cúbico de boro (CBN) IC – Metal duro e Cermet ID – Diamante policristalino (PCD) IS – Cerâmicas DT – Metal duro com dupla cobertura (CVD+PVD)
  • What is a carbide grade?
    A combination of cemented carbide, coating and post-coating treatment produces a carbide grade. Only one of these components - the cemented carbide - is the necessary element of the grade. The others are optional. Cemented carbide is a composite material comprising hard carbide particles that are cemented by binding metal (mainly cobalt).
    Most cemented carbides used for producing cutting tools integrate wear-resistant coating and are known as “coated cemented carbides”. There are also various treatment processes that are applied to already coated cemented carbide (for example, the rake surface of an indexable insert). “Cemented carbide” can refer both to the substrate of a coated grade and to an uncoated grade.
  • How does ISCAR classify carbide grades?
    The international standard ISO 513 classifies hard cutting material based on their reasonable applicability with respect to the materials. ISCAR adopted this standard and uses the same approach in tool development. Cemented carbides are very hard materials and therefore they can cut most engineering materials, which are softer. Some carbide grades demonstrate better performance than others in cutting tools applied to machining a specific class of materials.
  • The groups of application of carbide grades in accordance with ISO 513 include letters and numbers after the letter. What do they mean?
    The letters in the group of application define a class of engineering materials, to which a tool that is produced from a specific grade, can be applied successfully. The classification numbers show hardness-toughness ratio of the grade in an arbitrary scale. Higher numbers indicate an increase in grade toughness, while lower numbers indicate an increase in grade hardness.
  • What is SUMO TEC technology?
    SUMO TEC is a specific post-coating treatment process developed by ISCAR. The treatment has the effect of making coated surfaces even and uniform, minimizing inner stresses and droplets in coating. In CVD coatings, due to the difference in thermal expansion coefficients between the substrate and the coating layers, internal tensile stresses are produced. Also, PVD coatings feature surface droplets. These factors negatively affect a coating and therefore shorten insert tool life.
    Applying SUMOTEC post-coating technologies considerably reduces and even removes these unwanted defects and results in increasing tool life and greater productivity.
  • Why are PVD nano layered coatings considered so efficient and progressive?
    PVD coatings were introduced during the late 1980’s. With the use of advanced nanotechnology, PVD coatings performed a gigantic step in overcoming complex problems that were impeding progress in the field.
    Developments in science and technology brought a new class of wear-resistant nano layered coatings. These coatings are a combination of layers having a thickness of up to 50 nm (nanometers) and demonstrate significant increases in the strength of the coating compared to conventional methods.
  • The designation of ISCAR’s carbide grades usually starts from letters “IC”. Why is grade DT7150 (DO-TEC) designated differently?
    Coating technology features two principal directions - Chemical Vapor Deposition (CVD) and Physical Vapor Deposition (PVD). Technology development allows both methods – CVD and PVD – to be combined for insert coatings, as a means of controlling coating properties.
    ISCAR’s carbide grade DT7150 features a tough substrate and a dual MT CVD (Medium Temperature CVD) and TiAlN PVD coating. The grade was originally developed to improve the productive machining of special-purpose hard cast iron.
    Materiais de Engenharia
  • Quando são fornecidos recomendações de parâmetros de corte, como a ISCAR classifica os materiais para usinagem?
    Os grupos de materiais da ISCAR são organizados de acordo com a classificação da norma Internacional standard ISO 513 e suas aplicações de usinagem de materiais endurecidos para alta remoção de metais com arestas de corte definidas — As descrições dos principais grupos e grupos de aplicações e guias técnicos VDI 3323 Anwendungseignung von Harten Schneidstoffen (Portugues: Informações sobre aplicações de aços endurecidos e usinagem por remoção de cavacos).VDI (Verein Deutscher Ingenieure) é a Associação Alemã de Engenharia.
  • A norma ISO 513 standard especifica as ferramentas de corte destinadas a usinagem de aço inoxidável como uma ferramenta do grupo M. Isto está correto? Resposta
    A ISO 513, Grupo M (identificação de cor amarela) estão relacionada as ferramentas para usinagem de aço inoxidável austenítico e estrutura austenítica/ferrítica (duplex). Os aços inoxidáveis ferríticos a martensíticos pertencem ao grupo de matarial P (cor azul) e os parâmetros de corte iniciais devem ser de acordo.
  • A usinagem de Titânio é igual a usinagem de aço inoxidável austenítico?
    Comercialmente o titânio puro e, com algumas aplicações de ligas de titânio α- ou α-β- talvez possa ser usinadas como o aço inoxidável austenítico mas não as ligas de titânio tratados β- a quase -β-.
  • Porque a usinabilidade dos materiais do grupo ISO M e S são consideradas juntas?
    Estes materiais são de difícil usinabilidade e possuem caracteristicas semelhantes que afetam a usinabilidade: baixa condutividade térmica e elevada força de corte específica.
  • Ferro Fundido é relativo ao grupo ISO K?
    A maioria das classes de ferro fundido (cinzento, nodular, maleável)são do grupo ISO K. Quando se usina ferro fundido endurecido ou coquilhado, as ferramentas de corte apropriadas (e os parâmentros de corte correspondentes) devem ser escolhidos conforme recomendação do grupo H. Ferro Fundido Austemperado Dúctil (ADI) na condição mole está conectado ao grupo P. Ferro Fundido Austemperado Dúctil(ADI) na condição endurecido está conectado ao grupo H.